LOADING

Digite para buscar

6 coisas que o Facebook provavelmente sabe sobre você

Compartilhe

Para onde você vai, sua situação financeira e o que você faz fora da rede social. Confira essas e outras informações que o Facebook sabe sobre você

Quando nos conectamos ao Facebook, tudo o que queremos é ter um lugar para postar fotos das férias e interagir com os amigos. A rede social de Mark Zuckerberg é também um espaço onde seu professor de judô pode vender sua paixão por quimonos e acessórios da modalidade. O que você talvez não saiba é a profundidade do rastreamento de suas informações pessoais na plataforma.

Responda com sinceridade: você já leu a política de privacidade da plataforma? Ao concordar com os termos do Facebook, você dá a empresa a possibilidade de fazer praticamente o que quiser com seus dados.

Mas, calma! Existem várias maneiras de limitar o alcance dos tentáculos de atração de dados do Facebook, como mostraremos a seguir. Só que no fim das contas, a única maneira de restaurar 100% sua privacidade (ou quase isso) é excluindo sua conta.

Primeiro de tudo é importante entender o algoritmo

Algumas conexões entre suas ações no Facebook e como as empresas usam seu comportamento para te oferecer produtos são óbvias. Por exemplo, se você curte uma página de uma loja de produtos esportivos, começa a ver anúncios de quimonos e de outros produtos ligados ao esporte.

Mas o algoritmo do Facebook também conecta os pontos entre os dados coletados, seu comportamento na rede, quem é você e por qual conteúdo ou produto pode se interessar mais. Se você quiser saber como o Facebook percebe seu comportamento online e o transforma em uma lista de anúncios personalizados, consulte a página Preferências de anúncio.

Confira a seguir algumas coisas que o Facebook sabe sobre você:

1. Para onde você está indo: o sabe sua localização todos os dias. Incluindo informações detalhadas, como os lugares que você foi, suas atrações favoritas e as várias lojas que você entra. É possível remover esse rastreamento na área de permissões dos aplicativos.

2. O que você faz fora do Facebook: desde o botão “Curtir” até a opção de login, muitos sites e serviços de terceiros usam a tecnologia do Facebook. Por isso, a rede social pode saber o que você está acessando até mesmo quando não está a utilizando. Para saber mais, acesse a área de Configruação do Facebook, clique em Suas Informações no Facebook e procure por Atividades fora do Facebook.

3. Sua situação financeira: sim, o Facebook pode iniciar uma boa análise de sua situação financeira para “repassar” aos anunciantes. De que maneira? Combinando dados de compras online e sua residência, e registros fornecidos por parceiros de marketing de várias fontes.

4. O que você quase postou: o Facebook sabe até mesmo quando você começa a escrever um post, mas pensa melhor e resolve não postar. É o que afirmaram os pesquisadores Sauvik Das, que já atuou como engenheiro de software do Facebook, e Adam Kraner, analista de dados em um artigo. Mas a rede social nega que coleta informações que foram apagadas e não publicadas.

5. Os aplicativos que você instala: você não precisa apenas se preocupar com a política de privacidade do Facebook, mas também com outros aplicativos que usam seus dados. Alguns testes que parecem inofensivos e viralizam na rede social, podem ser usados para coletar seus dados. Por isso, preste atenção às permissões exigidas pelo aplicativo e remova o que não considerar necessário.

6. O que seu amigo “contou” sobre você: Uma má notícia: aplicativos instalados por seus amigos ingênuos também podiam ser usados para coletar as informações que você compartilhou com eles. Uma boa notícia: essa função parece ter sido desabilitada. Ao acessar a área de Aplicativos e sites nas configurações do Facebook, você verá um aviso que a rede social removeu aplicativos que outras pessoas usam porque “essas configurações desatualizadas foram removidas porque elas somente se aplicavam a uma versão antiga da nossa plataforma que não existe mais”.

LEIA TAMBÉM:

O que são algoritmos e como eles influenciam nossas escolhas

Hacker revela o maior erro que as pessoas cometem na internet

Realidade virtual x realidade aumentada: entenda a diferença

Tags:
Luiz Carlos Corrêa

Professor de direito da ESPM e Membro da Comissão de Direito Digital da OAB/SP. Possui Graduação em Direito, Mestrado em Ciências da Engenharia Ambiental pela Universidade de São Paulo e Doutorado em Direito - Função Social do Direito.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *