LOADING

Digite para buscar

Como era mandar mensagens antes do WhatsApp

Compartilhe

Bipe, ICQ, MSN. Conheça as tecnologias que antecederam o aplicativo de mensagens mais popular do mundo

Pedir para um desconhecido digitar sua mensagem, enviar uma quantidade limitada de texto (tendo que pagar por isso) e não ter a mínima ideia de se a outra pessoa recebeu ou não sua mensagem. Essas eram situações rotineiras no mundo pré-WhatsApp. É o que te mostramos no novo post da série Como Era, em que te contamos como era viver em um mundo sem smartphones ou aplicativos.  

Bipe

via GIPHY

Imagine pedir para um estranho escrever uma mensagem para um de seus amigos ou crushs? Era assim que as pessoas se comunicavam na época dos bipes, aparelhinhos que chegaram ao Brasil no começo da década de 1990. Você ligava para uma central e dizia a mensagem que gostaria de enviar. Um operador então digitava o que você disse e enviava o texto para o seu contato. Privacidade zero.  

mIRC

Lançado em 1995 para operar exclusivamente pelo Microsoft Windows, em uma época em que a internet ainda era cobrada por pulso (lenta e cara), o mIRC funcionava como uma sala de bate-papo. Mas usar esse programa não era tão simples, já que as pessoas precisavam digitar códigos, escolher servidores e só então entrar em um grupo de conversa. Também era possível chamar uma pessoa para uma conversa no privado.  

ICQ

via GIPHY

Criado por israelenses em 1996, esse programa reinava entre os usuários do Windows – em uma época em que ainda utilizávamos a internet discada. Basicamente, era usado para troca de mensagens em texto, mas também era possível compartilhar imagens (difícil era baixar os arquivos com uma conexão de 56,6 kbps). Apesar de perder espaço no Brasil, o ICQ continua sendo usado e está disponível para download, inclusive em versão mobile.

MSN

via GIPHY

Uma febre entre os adolescentes brasileiros. Além das mensagens de texto, possibilitava o envio de emoticons e chamar a atenção quando os migos não respondiam suas mensagens. O duro era aguentar algumas pessoas entrando e saindo para chamar a atenção dos amiguinhos (cada vez que isso acontecia uma janelinha subia na tela dos outros usuários). Foi lançado no final dos anos 1990 pela Microsoft.

SMS

via GIPHY

“Feliz Natal”. Essa foi a primeira mensagem enviada em um teste do Short Message Service (Serviço de Mensagens Curtas) em dezembro de 1992. A tecnologia, que revolucionou a telefonia e bombou em meados dos anos 2000, possibilitava a comunicação com um limite de 160 caracteres por torpedo (assim eram chamadas as mensagens). As operadoras costumavam cobrar por mensagem enviada. Com a chegada do WhatsApp, o SMS perdeu espaço. Hoje em dia, essa tecnologia é pouco usada no Brasil pelos usuários, mas continua sendo utilizado por empresas para divulgar ofertas. Curiosidade: em países da África, como o Quênia, o SMS ainda é bastante usado em serviços de pagamento.

WhatsApp

via GIPHY

Lançado em 2009, o aplicativo desbancou o SMS por uma combinação de fatores: como a gratuidade e a possibilidade de enviar fotos, áudios e vídeos com uma facilidade nunca antes vista. Alguns podem nem se lembrar, mas por muito tempo os usuários conviveram com uma “ameaça” de cobrança, já que os termos de serviço do app indicavam que uma taxa anual seria cobrada. O sucesso do WhatsApp foi tão grande que as pessoas praticamente deixaram de fazer ligações. Por outro lado, o app tem sido utilizado para divulgação de notícias falsas, que já teriam até mesmo interferido em votações pelo mundo.

LEIA TAMBÉM:

Como era ouvir música antes do Spotify

Guia tech: deep fake, IA, algoritmos, reconhecimento facial e robôs

Como era dirigir sem Waze ou Google Maps

Tags:
Redação #TMJ

Produzido pelo Núcleo de Conteúdo da ESPM.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *