LOADING

Digite para buscar

Davos: 5 lições de jovens ativistas que estão mudando o mundo

Compartilhe

Jovens líderes ativistas que estão se destacando no cenário mundial dividiram algumas de suas histórias e lições em painel no Fórum Econômico Mundial

Jovens ativistas têm conquistado cada vez mais espaço em debates sobre questões políticas e ambientais. Um grande exemplo é a sueca Greta Thunberg, 17 anos, que ficou conhecida em todo o mundo por sua atuação no combate à mudança climática e por seus discursos na ONU.

Mas para conquistar a atenção da elite política e empresarial, esses ativistas precisam percorrer um longo caminho. É o que disseram jovens ativistas, que têm se destacado no cenário internacional, durante o painel The Power of Youth (O Poder da Juventude), realizado no Fórum Econômico Mundial em Davos (Suíça).

Participaram da conversa Maxime Crettex, delegado juvenil da Suíça para as Nações Unidas, Micah White, cocriador do movimento Occupy Wall Street, Autumn Peltier, comissária chefe da água da nação Anishinabek e Naomi Wadler, que atua em defesa das vítimas de violência armada, especialmente mulheres negras.

A seguir destacamos alguns trechos dessa conversa inspiradora:

1 – Não é fácil ser ouvido quando se é jovem

“Comecei a falar em grandes eventos quando tinha uns 10 anos. Fui muito criticada porque era muito jovem falando com pessoas de nível elevado, como políticos”, lembrou Autumn Peltier, 15 anos. Quando tinha apenas 13 anos, Peltier discursou na ONU em defesa das águas limpas. “Ouvi coisas como: ‘Ela é muito jovem’. ‘O que ela pensa não interessa’. ‘Ela tem apenas 10 anos’”. Mas por isso Peltier desistiu.

2 – É preciso seguir sua intuição

“Acho que meu principal conselho [para quem quer promover a transformação] é: você não pode seguir o conselho de ninguém. Sempre que disse minha ideia para as pessoas, elas me disseram que seria uma má ideia. O que fiz foi desenvolver uma intuição do que acho que funcionaria. Eu testava e via o que acontecia”. Micah White, 38 anos, eleito pela revista Esquire, em 2014, uma das figuras mais influentes com menos de 35 anos.

3 – Utilize as redes sociais, mas não se limite a elas 

“Acho que as redes sociais são uma grande fonte para pessoas que vivem em uma pequena cidade e não podem viajar para alcançar muitas pessoas. Se você posta sobre algo que está vivendo, você alcança milhares de pessoas. Por isso pode ser um recurso muito importante. Ao mesmo tempo, nem todos têm acesso à internet. Então, sinto que deve haver outras maneiras de espalhar as mensagens”. Naomi Wadler, 13 anos, que chamou a atenção por seus discursos no protesto anti-armas March for Our Lives, realizado em 2018 nos Estados Unidos.

4 – O sistema educacional precisa ser modernizado

“Acho que devemos repensar nosso sistema educacional para o mundo de hoje. Temos que integrar softskills como liderança e trabalho em equipe ao currículo para preparar os jovens. Também temos que dar aos jovens acesso a plataformas que possibilitam a eles serem socialmente comprometidos. Isso passa por empoderamento, compartilhamento de conhecimento e também por propor ferramentas”, afirmou Maxime Crettex, 19 anos.

5 – Você tem o poder da mudança  

“Mesmo que você sinta que não tem poder, você tem essa habilidade única de começar um movimento social ou um protesto. Vejo que o ativismo está sendo integrado mais profundamente no funcionamento do poder e nos círculos da elite e é por isso que estou aqui. É muito estranho o Occupy Wall Street estar aqui [no Fórum Econômico Mundial]. Há algo na capacidade de mobilizar pessoas que a elite está muito curiosa e preocupada. E não é possível roubar essa capacidade da gente, vão precisar trabalhar conosco”. Micah White

LEIA TAMBÉM:

“Jovens não devem cair no conto do empreendedor”

9 coisas que você precisa saber sobre sustentabilidade

10 documentários sobre meio ambiente que estão na Netflix e você não pode perder

Tags:
Filipe Oliveira

Do clã Kardashian-Jenner a entrevistas com CEOs, até o título mundial do Corinthians. Nessa vida de jornalista já cobri de tudo um pouco: esportes, tv e cinema, agronegócio, tecnologia, negócios, empreendedorismo e setor automotivo. Depois de uma temporada de estudos e aventuras na África do Sul, voltei ao Brasil em busca de um novo desafio. Assim vim parar na equipe que criou e produz o #TMJ.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *