LOADING

Digite para buscar

9 filmes que retratam o universo do design

Compartilhe

A moda, as artes gráficas e a criação de objetos úteis da vida cotidiana são um prato cheio para filmes e documentários 

Mesmo sem saber, pessoas estão cercadas de design por todos os lados em suas vidas cotidianas. Seja pelo impacto visual, seja por estarem vestindo ou utilizando algo em suas casas e trabalhos. Palmas para o bom design: cumpre sua função sem ser o foco. Mas isso não pode nos impedir de aprender mais sobre o bom design (e o nem tanto) e, claro, homenagear o que vale a pena por fazer nossas vidas melhores (e mais belas) com uma seleção de filmes que exaltam o bom design.

Abstract: The Art of Design (2017)

Disponível na plataforma Netflix, este documentário radiografa o trabalho e o brilhantismo de oito grandes designers de diversas áreas: Bjarke Ingels (arquiteto), Christoph Niemann (ilustrador), Es Devlin (cenógrafa), Ilse Crawford (designer de interiores), Paula Scher (designer gráfica), Platon (fotógrafo), Ralph Gilles (designer de automóveis) e Tinker Hatfield (designer de tênis).

Design & Thinking (2012)

O documentário discute com profissionais importantes, como o fundador da IDEO David Kelley e o designer industrial Tim Brown, o poder do design e sua influência no mundo dos negócios e da sociedade.

Helvetica (2019)

A fonte tipográfica mais conhecida dentro e fora do mundo do design é o ponto de partida para a investigação da cultura visual globalizada – e este é o primeiro de três documentarios assinados por Gary Hustwit sobre o tema design (e que igualmente valem a visita): Objectified, sobre design industrial, e Urbanized, que investiga o melhor do urbanismo.

Iris (2014)

Hoje com 99 anos, Iris Apfel é um ícone do design têxtil, de moda e de interiores – e uma personagem apaixonante deste documentário sobre sua vida e obra em que a criatividade foi sempre a tônica. Alguém que fará bem conhecer melhor, mesmo que não seja por sua contribuição ao design.

Logorama (2009)

Separe 15 minutinhos de sua vida para este premiadíssimo curta de animação, vencedor do Oscar de animação de 2010 e do prêmio da categoria em Cannes em 2009. Os diretores Alaux, Hervé de Crecy e Ludovic Houplain transformam Los Angeles em uma cidade onde tudo (absolutamente tudo mesmo!) é feito por logomarcas: da paisagem às pessoas – e abusam da criatividade.

Minimalism (2015)

Autodefinido como “um documentário sobre a importância das coisas”, o filme busca entender o que realmente pensam pessoas que acreditam que coisas materiais não trazem felicidade fazendo uma pergunta simples na forma – mas complexa quando é preciso respondê-la: “menos é mais?”.

PressPausePlay (2011)

O documentário pede para artistas e músicos responderem às perguntas “Será que essa democratização cultural toda que estamos vivendo significa uma arte mais sofisticada ou será que está acabando com os talentos natos?” ou “A verdade realmente te liberta?”. Tudo para saber deles se o digital é um perigo real de mediocrização. 

Sign Painters (2014)

Uma bela homenagem às obras e às histórias de artistas que dedicam sua vida à produção de grandes placas e letreiros de rua – e que, cada dia mais, parecem se aproximar da extinção.

Why Man Creates (1968)

Esta animação, criada por Saul Bass e Mayo Simon e vencedora do Oscar de animação de 1968, se tornou um clássico ao se debruçar sobre a natureza da criatividade humana. Ou seja: design na veia.  

LEIA TAMBÉM:

Designer de ‘Férias Frustradas do Pica-Pau’ conta como era desenvolver games na década de 90

Os desafios da carreira em design

Designer italiana reúne mais de 650 símbolos de civilizações antigas em enciclopédia digital para artistas

Tags:
Jorge Tarquini

Sou um jornalista curioso e que se aventura por alguns lugares e experiências: já dirigi revistas, trabalho com produção de conteúdo, escrevo livros (um segredo: escrevi O Doce Veneno do Escorpião, o "livro da Bruna Surfistinha") e roteiros e, agora, faço parte da equipe que criou e produz o #TMJ. Ah: também virei professor de Jornalismo. Ansioso para descobrir para onde os novos tempos, meios e tecnologias podem me levar: afinal, é sempre um prazer me aventurar por novos desafios.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *