LOADING

Digite para buscar

“Jovens não devem cair no conto do empreendedor”

Compartilhe

Em conversa com o #TMJ, Giovanni Salvador, fundador da Bossabox, falou sobre os desafios do empreendedorismo e revelou os próximos passos de sua startup, que recebeu um investimento de R$ 1,6 milhão e foi avaliada em R$ 12 milhões

“É preciso saber desde o começo que não vai ser uma jornada fácil.” A dica para quem sonha em empreender é de Giovanni Salvador, 24 anos, cofundador da Bossabox. O jovem empreendedor, formado em Marketing pela ESPM, conversou com o #TMJ sobre a startup que criou com colegas universitários, e revelou os desafios do empreendedorismo. “É um caminho árduo”. A Bossabox, plataforma que conecta clientes a desenvolvedores de software, passou pela Incubadora de Negócios da ESPM.

O que é a Bossabox? Que problema vocês resolvem?

A Bossabox funciona como uma solução completa para desenvolvimento de produtos digitais. Hoje temos uma rede de cerca de 7 mil profissionais que estão cadastrados em todos os estados do Brasil. Esses profissionais se qualificam através de nossa plataforma, fazem testes e passam por entrevistas, em que são analisadas competências técnicas e comportamentais. Quando fechamos um negócio, os recrutamos para que construam produtos digitais para empresas.

De quais áreas são esses profissionais?

Basicamente, são gerentes de produto, líderes de tecnologia, designers de produto e desenvolvedores.

Como surgiu a Bossabox?

Trabalhei alguns anos em uma consultoria de tecnologia que pertencia ao meu pai, e ao entender a dinâmica dessas empresas percebi a ineficiência do setor de TI no geral. Percebi que não conseguiam entregar valor para o negócio, e sim linhas de código. Era uma estrutura muito cara, muito overhead, uma metodologia antiquada (watefall) e com incapacidade de escalar e ser eficiente. Apesar de entregar tecnologia para os clientes, esse setor não utiliza tecnologia para melhorar. Muitas empresas de software não usam dados, não constroem produtos para melhorar sua performance e utilizam ferramentas limitadas. 

Recentemente, a Bossabox recebeu um investimento de R$ 1,6 milhão da Redpoint Ventures. O que muda no negócio de vocês a partir de agora?

Fomos gerando receita, investindo no próprio negócio até conseguir o primeiro milhão. A partir disso, levantamos dinheiro com outros investidores para acelerar o nosso processo de crescimento. Levantamos esse aporte para investir em produto e tecnologia. Nosso objetivo é tornar a Bossabox a melhor solução para desenvolvimento de produtos digitais do Brasil.

Que dica você daria para jovens que sonham empreender?

É preciso saber desde o começo que não vai ser uma jornada fácil. Os jovens não devem cair no conto de empreendedor que a mídia vende: ‘O Mark Zuckerberg é um cara muito novo que ficou bilionário’. Empreender é um caminho árduo. Como disse Ben Horowitz [um dos empreendedores mais respeitados do Vale do Silício], o empreendedor deve cuidar das pessoas, dos produtos e dos lucros. E tem que trazer pessoas que estejam alinhadas com os valores da empresa, que vão trabalhar pelo melhor de todos e não só pensar em resultados individuais.

Muitos jovens que querem empreender não sabem se devem ou não cursar uma universidade. Como alguém que começou a empreender na universidade, o que você pensa sobre isso?

Acredito que o processo de aprendizagem tem que ser mais provocativo do que passivo como é hoje. Se você for cursar uma universidade, aproveite não só o conhecimento que ela vai te gerar, mas também todo o processo que você vai passar. Não dependa apenas da faculdade para adquirir conhecimento, e aproveite para conhecer pessoas e ter acesso a uma rede de mentores. 

Giovanni Salvador, fundador da Bossabox Foto: Divulgação

LEIA TAMBÉM:

Como é trabalhar em uma startup

Quiz: o quanto você sabe sobre empreendedorismo e startups?

“O que realmente importa: a roupa que você usa ou a qualidade do seu trabalho?”

View my Flipboard Magazine.
Tags:
Filipe Oliveira

Do clã Kardashian-Jenner a entrevistas com CEOs, até o título mundial do Corinthians. Nessa vida de jornalista já cobri de tudo um pouco: esportes, tv e cinema, agronegócio, tecnologia, negócios, empreendedorismo e setor automotivo. Depois de uma temporada de estudos e aventuras na África do Sul, voltei ao Brasil em busca de um novo desafio. Assim vim parar na equipe que criou e produz o #TMJ.

Você vai gostar também

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *