LOADING

Digite para buscar

Apresentador do ‘Roaming’, do Woohoo, fala sobre vida no Canadá e sonho de trabalhar com audiovisual

Compartilhe

Conversamos com Vander Amaral, um dos apresentadores do Roaming, do canal Woohoo, para entender tudo o que vai rolar no programa e saber quais são os desafios e oportunidades para quem sonha em trabalhar com audiovisual no Canadá

“Sempre quis apresentar meu próprio programa de viagens. Minha formação em TI foi o que me ajudou a vir pro Canadá e juntar dinheiro para seguir meu sonho na área audiovisual”. A afirmação é de Vander Amaral, um dos apresentadores do Roaming, do Canal Woohoo. O programa acompanha uma road trip pelo Canadá, repleta de aventuras radicais, vida selvagem, paisagens incríveis e muita cultura local, do brasileiro com seu amigo Ray Andrade.

Amaral explica que o Roaming é como uma segunda temporada do The Routineproof Project, que mudou de nome por questões de marketing. “O nome Routineproof era muito difícil para a galera escrever, ou mesmo decorar e falar”, explica o apresentador. “Como sempre, teremos muito esporte radical e paisagens de tirar o fôlego.”

Para entender como Amaral, que é formado em sistemas de informação, se tornou apresentador de TV, o #TMJ bateu um papo exclusivo com o brasileiro. Na conversa, ele também revelou as dificuldades de gravar um programa de viagens e deu dicas para quem sonha em trabalhar com audiovisual no Canadá: “As portas são bem abertas”.

Quando e como você foi parar no Canadá?

Estou há seis anos no Canadá, mas minha vida empreendedora começou no Brasil, onde tinha minha empresa a VNV Gamez, que mais tarde deu origem a Be Studios. Na VNV eu me dedicava a projetos de realidade virtual e jogos mobile, atraindo clientes de países diversos, principalmente Canadá. A partir daí a mudança para Montreal no Canadá foi um passo natural.

Como surgiu o The Routineproof Project?

O programa nasceu de uma road trip que fiz com meu amigo Ray Andrade pelo Canadá. Nós dois já tínhamos conhecimento em produção de documentários e experiência na televisão e queríamos capturar em vídeo não só as paisagens exuberantes, mas também o espírito de cada lugar: as pessoas, a vida selvagem e o esporte.

Quanto tempo de filmagem e quantos locais vocês percorreram?

Foram mais de 10 mil quilômetros percorridos em cinco meses de gravação, com alguns intervalos.

O que você sentiu quando viu a série pronta e no ar?

Um sentimento de satisfação e dever cumprido, além de muita gratidão pelos que me ajudaram e me apoiaram com o programa. Foi um sonho virando realidade.

Vamos ter uma segunda temporada?

Sim, porém por razões de marketing tivermos que mudar o nome do programa na segunda temporada para Roaming, o nome Routineproof era muito difícil para a galera escrever, ou mesmo decorar e falar. Então vamos dizer que a segunda temporada do programa é a primeira do Roaming, que também está no ar no Canal Woohoo. O programa acabou de estrear e já começou com uma surf trip pelo Canadá de trem!

E o que você pode nos adiantar sobre o Roaming?

O Roaming vai ter uma pegada muito mais profissional do que o The Routineproof Project, mas sem perder a essência do programa original. Como sempre, teremos muito esporte radical e paisagens de tirar o fôlego. Nossa equipe cresceu, conseguimos mais patrocínios, posso adiantar também que teremos participações especiais de pessoas bem conhecidas internacionalmente. Como sempre falei para equipe, estamos aqui para vender sonhos. Assim como eu fazia quando assistia a esse tipo de programa na TV quando era mais jovem. Me dava vontade de sair mundo afora, desbravar, viver!

“Nunca é somente diversão, há sempre contratempos”

 

Vander Amaral e Ray Andrade Foto: Divulgação

Quando assistimos a esse tipo de programa, acreditamos que tudo foi maravilhoso e divertido. É isso mesmo? O quanto é diversão e o quanto é trabalho?

Posso dizer que é 50% 50%. Nunca é somente diversão, há sempre contratempos, as vezes você marca uma viagem e chega no destino e está chovendo. Você precisa ter um plano B, até mesmo um plano C caso esse tipo de coisa aconteça! Mas sim, a gente procura se divertir também, se você faz o que gosta trabalho sempre vira um pouco de diversão!

“Minha formação em TI foi o que me ajudou a vir pro Canadá e juntar dinheiro para seguir meu sonho na área audiovisual”

Sua formação é em TI. Como foi parar no mundo do audiovisual?

Sempre quis entrar na área audiovisual. Fiz pequenos projetos de edição de vídeo quando estava no Brasil, fiz um pequeno curso de teatro, participava de programas de TV como figurante, mas sempre quis apresentar meu próprio programa de viagens. Minha formação em TI foi o que me ajudou a vir pro Canadá e juntar dinheiro para seguir meu sonho na área audiovisual.

Como é trabalhar com audiovisual fora do Brasil?

No Canadá as portas são bem abertas no audiovisual se você tem experiência e sabe o que faz. Lógico que quanto mais você entrega trabalho de qualidade mais clientes vai ter, aqui o boca-a-boca funciona bem mesmo se você é imigrante. Uma dica bem legal é participar de cursos de voluntariado na TV daqui quando você chega para ganhar experiência, foi o que eu fiz. Até mesmo para aprender como as coisas funcionam por aqui.

“Corra atrás dos seus sonhos, não tenha medo de novos desafios”

 

Vander Amaral em Halifax, Canadá Foto: Divulgação

Que dica você daria para alguém que sonha em trabalhar com audiovisual fora do Brasil?

Muitas TVs daqui sempre têm vagas para voluntariado, não é remunerado, mas eles dão certificado no fim do trabalho. Foi assim que recomecei aqui. Minha dica é: não tenha medo de recomeçar. Corra atrás dos seus sonhos, não tenha medo de novos desafios. Provavelmente você terá que fazer voluntariado e trabalho de graça para adquirir experiência, assim como eu fiz. Não é um caminho fácil, leva tempo para ganhar experiência e a confiança dos clientes aqui. Mas no final tudo compensa. E sempre, sempre seja humilde, não tenha medo de perguntar o que não sabe. Não podemos saber tudo não é mesmo? Força de vontade e gratidão sempre.

Confira o primeiro episódio de Roaming no vídeo abaixo. E se quiser ficar ligado em outras aventuras de Vander Amaral, siga o apresentador no Instagram.

LEIA TAMBÉM:

“O que realmente importa: a roupa que você usa ou a qualidade do seu trabalho?”

4 histórias muito loucas sobre a carreira de Rashid

6 valiosas lições de Roberto Cabrini sobre jornalismo investigativo

 

CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Pensando em fazer Audiovisual?

Deixa seus dados aqui que a gente te ajuda nessa decisão.

Tags:
Filipe Oliveira

Do clã Kardashian-Jenner a entrevistas com CEOs, até o título mundial do Corinthians. Nessa vida de jornalista já cobri de tudo um pouco: esportes, tv e cinema, agronegócio, tecnologia, negócios, empreendedorismo e setor automotivo. Depois de uma temporada de estudos e aventuras na África do Sul, voltei ao Brasil em busca de um novo desafio. Assim vim parar na equipe que criou e produz o #TMJ.

Você vai gostar também

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *