4 possibilidades de atuação para quem se forma em Sistemas de Informação

Desenvolvimento, games, dados e transformação digital. Conheça as oportunidades de atuação nessas áreas para os graduados em SI

 

Sistemas da informação (SI) tem como fundamento resolver problemas computacionais no mundo corporativo. Isso pode significar desenvolver o sistema de processamento de uma máquina ou de um servidor ou conceber a nuvem onde a empresa vai armazenar informações e dados. 

 

“As corporações precisam cada vez mais automatizar processos, e também ter seus produtos e serviços disponíveis na internet, e para isso são necessários profissionais que atendam a demanda de desenvolver novos produtos ou de adaptar o que já existe”, explica Flavio Azevedo, coordenador do curso de Sistemas de Informação da ESPM. 

 

De acordo com o especialista, atualmente falta mão de obra especializada para essas funções. Hoje, quem se forma em SI praticamente tem trabalho garantido para atuar nas quatro grandes áreas descritas a seguir: 

 

Desenvolvimento 

Os profissionais usam a programação para materializar um app ou site. Há quem trabalhe com o front-end, que é a concepção da interface, e quem cuide do back-end, o desenvolvimento da navegação propriamente dita. Quem domina bem essas duas áreas é chamado de profissional full stack, que é mais completo, mas não tanto quanto quem atua em DevOps (development and operation), um conjunto de técnicas que consiste em instalar tudo o que é necessário para um projeto, orquestrar os softwares do servidor, preparar o ambiente em nuvem e arquitetar os pré-requisitos para que tudo funcione corretamente no ambiente de tecnologia de uma empresa. 

 

Games 

Essa área demanda uma pessoa que trabalhe no ecossistema gamer. Esse profissional não programa o game, mas trabalha com outros elementos importantes que giram em torno de um jogo: conteúdo, marketing, distribuição e divulgação, entre outros aspectos. Ele tem uma visão maior do negócio e atua como um gestor da equipe de desenvolvimento de um game. Conheça 5 possibilidades de atuação no mercado de games 

 

Dados 

Com a evolução do conceito de big dada as corporações estão na fase de tratar os dados e encontrar soluções para o grande volume de informações coletadas. Assim, o cientista, o engenheiro e o analista de dados criam a estrutura base para os dados ou promovem soluções que proporcionem tomadas de decisão a partir da organização das informações. Um cientista de dados, por exemplo, aplica modelos estatísticos para identificar padrões e coloca isso em uma ferramenta para a visualização. Esse trabalho destrincha o perfil de consumo ou descobre novos padrões, o que possibilita oferecer produtos que façam sentido para o público. 

 

 

Transformação digital 

O profissional dessa área lidera um time que visa melhorar a maturidade digital da empresa no sentido da digitalização dos processos, desde a construção de um assistente virtual, concepção de block chain para a elaboração de contratos inteligentes, automatização de processos e serviços e tudo o que pode ser aplicado em novos negócios. É um profissional transversal antenado com inovação e muito ligado com o que acontece no mundo e entende a maturidade digital da empresa. Resolve problemas, coordena e olha para dentro da organização percebendo o que precisa ser aperfeiçoado.

 

LEIA TAMBÉM:

9 mitos sobre a carreira em Sistemas de Informação

Quer ver mais conteúdos do #tmj?

Preencha o formulário abaixo e inscreva-se gratuitamente em nossa newsletter quinzenal!

Você vai curtir

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr

INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER