LOADING

Digite para buscar

7 acertos e 5 erros da imprensa brasileira na cobertura da pandemia

Compartilhe

Desinformação, transparência, negacionismo e incentivo à prevenção. Veja como os veículos de imprensa se saíram nestes e em outros quesitos em uma avaliação feita pela redação do #TMJ

A equipe de jornalistas do #TMJ avaliou a atuação da imprensa brasileira na cobertura da pandemia de covid-19. Confira a seguir o que identificamos como erros e acertos cometidos pelos veículos de imprensa durante este período:  

Resultado Positivo

Tratar o assunto, desde o início, com seriedade

Nada de gripezinha: o foco inicial foi bastante didático, buscando informações para o entendimento de o que era a doença, o que já se sabia sobre ela, como se proteger, uso de máscara, como lidar com o isolamento social, como usar álcool em gel e até mesmo como lavar as mãos. Um misto de utilidade pública e de cobertura minuto a minuto, quase como uma cobertura de guerra.

Resultado ruim

Dar espaço ao negacionismo

Em nome da pluralidade, alguns veículos de imprensa se tornaram palco para propagação de desinformação. Comentaristas e convidados divulgaram ao vivo números errados, negaram evidências científicas e utilizaram pesquisas antigas e já sem valor para defender tratamentos ineficazes e até mesmo prejudiciais. Demorou para a imprensa fechar a porteira para informações desencontradas ou não comprovadas.   

Resultado Positivo

Incentivar o uso de máscaras e o distanciamento social

Enquanto o Governo Federal e o Ministério da Saúde batiam cabeça, os veículos de imprensa assumiram o protagonismo no incentivo ao uso de máscaras e ao distanciamento social. Não apenas com palavras, mas também dando exemplo: deixando profissionais do grupo de risco trabalharem de casa, implementando protocolos de distanciamento nos estúdios e exigindo que os repórteres usassem máscaras nas ruas.

Resultado ruim

Publicar um anúncio em defesa do tratamento precoce

Uma pisada na bola que não teve origem nas redações, mas sim nas áreas comerciais. Em forma de anúncio pago, alguns dos maiores jornais impressos brasileiros divulgaram um manifesto em defesa do tratamento precoce – algo que já havia sido refutado pela comunidade científica e diariamente rebatido nas próprias páginas dos periódicos.

Resultado Positivo

Combater a desinformação  

Raramente a imprensa caiu nas armadilhas das fake news – ao contrário: os veículos, juntamente com os fact checkers, deram um show de agilidade, seriedade e competência. Sem essa atuação da imprensa, certamente as máquinas de espalhamento de fake news e discursos de ódio e negacionismo teriam causado ainda mais estragos…

Resultado ruim

Incluir o número de recuperados sem o contextualizar

A taxa de letalidade da covid-19 gira em torno de 2% a 4%. Ou seja, ao menos 96% dos que contraem a doença se recuperam. Logo, quanto mais contaminados, mais recuperados. Por isso, um grande número de recuperados não é necessariamente um sinal de sucesso no combate à pandemia, mas pode indicar sim um descontrole sobre a propagação do vírus. Alguns veículos divulgaram esses números sem os explicar corretamente ao público.

Resultado Positivo

Não se intimidar pelos negacionistas

Desde o início da pandemia, houve perseguição a veículos de imprensa que enveredaram pelo caminho de alertar a sociedade da gravidade do que estaria por vir (e, depois, pelo que estávamos efetivamente vivendo). Os veículos de imprensa começaram a se tornar alvo preferencial dos que enxergavam conspirações por trás da doença. Mas permaneceram ao lado de quem buscava informação bem apurada e confiável. O resultado? O aumento no ibope dos telejornais das TVs abertas e fechadas e das rádios noticiosas, recordes de audiência em portais de informação como UOL e G1 – bem como maios número de acessos aos veículos mais tradicionais da imprensa na internet, como os jornais, e demais formas de acesso.

Resultado ruim

Divulgar algumas informações com pressa e sem tanta precisão

Idas e vindas, desmentidos e correções são normais – ainda mais com algo como o novo coronavírus. Mas a imprensa foi levada, até pela OMS e seus desmentidos, a uma enorme quantidade de correções, a publicar equívocos e a divulgar imprecisões.

Resultado Positivo

Formar o consórcio de veículos de imprensa

Como resposta a uma tentativa do Governo Federal de restringir o acesso aos dados sobre a pandemia, os veículos de imprensa se uniram para dar transparência aos dados da covid-19 no Brasil. Assim surgiu o consórcio dos veículos de imprensa que coleta junto as secretarias de Saúde números de contaminações e mortes e os divulga ao público. O grupo é formado por G1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S. Paulo e UOL.  

Resultado ruim

Tom alarmista ou conformista

Demorou e foi difícil encontrar o tom correto para a cobertura: nem alarmista e nem conformista. Nesse processo, infelizmente, alimentou-se a dicotomia A x B, certo x errado.

Resultado Positivo

Insistir no assunto, apesar do “a imprensa só fala disso”

Driblou-se a ideia/tendência de que o assunto poderia “perder força” na pauta diária (o que, de certo modo, é comum acontecer, quando um assunto perde “tração” e poder de atração junto ao público). Uma lição de atendimento e observância do interesse público.

Resultado Positivo

Criar uma campanha pela vacinação

Na falta de uma campanha nacional de incentivo a vacinação, o consórcio dos veículos de imprensa também precisou assumir o protagonismo sobre esta questão. O grupo criou a “Vacina Sim”, campanha para conscientização da importância da vacina. O lançamento ocorreu durante o intervalo do Jornal Nacional.  

LEIA TAMBÉM:

O jornalismo científico não deve dar voz para malucos, diz especialista da área

Quiz: o quão cuidadoso você está sendo durante a pandemia

Jornalismo ganha força em meio a pandemia do coronavírus

Tags:
Redação #TMJ

Produzido pelo Núcleo de Conteúdo da ESPM.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *