LOADING

Digite para buscar

E lá se foi o primeiro semestre…

Compartilhe

Mal havia iniciado “oficiosamente” o ano (que, para o brasileiro só começa depois do Carnaval) e logo já estava todo mundo (que podia e queria) em quarentena. Por mais que tenha parecido uma eternidade, o tempo passou. E o semestre acabou. E passou mais rápido do que pudemos perceber. Será que perdemos a pressa?  

Junho praticamente já se foi. E o segundo semestre está batendo às nossas portas. Com a radical mudança nas nossas vidas e rotinas, hoje mal sabemos como exatamente vivemos esse tempo. Vai ser estranho lembrar de um período do qual, trancados em casa, somando afazeres domésticos ao trabalho possível, mal teremos lembranças.

Não vai haver “lembra aquele dia, em que fomos no restaurante tal?” ou “aquele feriado foi uma delícia”. A sensação de uma “realidade paralela”, uma matrix, não vai desaparecer. E, no futuro, esse período todo vai ser quase que um monobloco: junta a sensação de tristeza, de enclausuramento, de muito trabalho doméstico, de ajudar filhos com as aulas online, de reuniões sem fim pelo computador – e de um longo período em que a vida foi limitada por molduras: os limites das janelas e das telas de computador e de smartphones.

Muito certamente, será estranho quando “voltarmos” a ter de lembrar claramente os dias da semana e do mês, de termos de incluir novamente em nossos atos inconscientes e automáticos coisas triviais como lembrar de pegar a carteira, não largar a chave do carro, rememorar caminhos…

Mas nada, porém, será mais difícil do que recobrarmos nosso relógio interno. Aquele que dominávamos tão bem, para fazer caber no tempo disponível tudo o que precisamos fazer. Perdemos a pressa, basicamente. Com o tempo disponível, mesmo preenchido com tarefas e deveres domésticos ou profissionais, raramente nos cobramos a premência da pontualidade e dos timings. Algo com hora certa virou exceção – onde antes era a regra.

O que isso pode significar para o semestre que se inicia?

Não sabemos ainda quanto tampo mais precisaremos de isolamento para diminuir a velocidade da doença entre nós. Mas podemos aproveitar esse tempo para entender de verdade qual será a nossa relação verdadeira com o tempo daqui para a frente. Só não deixe passar mais um semestre para pensar sobre isso: vai fazer um bem danado para você.  

LEIA TAMBÉM:

Como se preparar para o mercado de trabalho do futuro

Eventos híbridos e valorização do nacional: o ‘novo normal’ da indústria de shows

Detox digital: jogos de tabuleiro e quebra-cabeças fazem sucesso na quarentena

Tags:
Jorge Tarquini

Sou um jornalista curioso e que se aventura por alguns lugares e experiências: já dirigi revistas, trabalho com produção de conteúdo, escrevo livros (um segredo: escrevi O Doce Veneno do Escorpião, o "livro da Bruna Surfistinha") e roteiros e, agora, faço parte da equipe que criou e produz o #TMJ. Ah: também virei professor de Jornalismo. Ansioso para descobrir para onde os novos tempos, meios e tecnologias podem me levar: afinal, é sempre um prazer me aventurar por novos desafios.

Você vai gostar também

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *