LOADING

Digite para buscar

Você tem sede de quê?

Compartilhe

Hora de organizar o futuro, a partir do que aprendemos sobre nós  mesmos, nossos sonhos, desejos e planos enquanto estivemos em distanciamento. E com a maior franqueza possível

A pandemia e seus (ainda) longos meses de duração renderam estresse, tristeza, ansiedade, muito trabalho, horas e horas de aulas mediadas por telinhas de computador – mas igualmente muito tempo para pensar. Palmas para quem não fugiu dessa raia: o resultado, 110% de certeza, é uma clareza incrível do que realmente importa. Mas repito: vale para quem usou esse tempo precioso para pensar de verdade.

Claro que nem todas as decisões tomadas, as descobertas feitas e as mudanças necessárias para conduzir a “revolução pessoal” serão imediatas. Afinal, se quero virar um plantador de arroz no Camboja em cinco anos, tenho cinco anos para aprender duas coisas: khmer, a língua local, e a plantar arroz.

Mas nem tudo é tão radical. Responder à pergunta “você tem sede de quê?” pode ser algo menos avassalador. Pode ser desde uma decisão de relacionamentos, de mudança de curso, de trocar de estágio ou emprego. A urgência que a pandemia fez instalar em nossas vidas, depois de quase sete meses de vida suspensa no ar, criou uma megatendência comportamental intergerações: a de não querer mais perder tempo com o que não for essencial.

E não há armário cheio de roupas e sapatos, carro bacanudo na garagem ou o que quer que seja que compense você vestir a alma com o máximo de satisfação. Ou seja: o hedonismo vai voltar à moda, assim que for decretado o fim da pandemia.

Mas, para não perder o costume de professor, deixo um conselho: sair na base do “aproveitar tudo o tempo todo” é tão vazio quanto “fazer o que deve ser feito” sem levar em conta o que se deseja.

Escolha com sabedoria o que vai beber para aplacar sua sede. 

LEIA TAMBÉM:

10 documentários sobre meio ambiente que estão na Netflix

Quiz: o quanto você sabe sobre empreendedorismo e startups?

Sons da natureza: plataforma colaborativa permite imersão sonora em florestas de todo o mundo

Tags:
Jorge Tarquini

Sou um jornalista curioso e que se aventura por alguns lugares e experiências: já dirigi revistas, trabalho com produção de conteúdo, escrevo livros (um segredo: escrevi O Doce Veneno do Escorpião, o "livro da Bruna Surfistinha") e roteiros e, agora, faço parte da equipe que criou e produz o #TMJ. Ah: também virei professor de Jornalismo. Ansioso para descobrir para onde os novos tempos, meios e tecnologias podem me levar: afinal, é sempre um prazer me aventurar por novos desafios.

2 Comentários

  1. Nivea Sisti 14 de outubro de 2020

    Concordo plenamente com seu pensamento. Não há mais espaço para fazer qualquer coisa que seja contrária a sua verdade. O isolamento social nos fez ver a importância do outro e de nossos valores mais caros, amigos, família, vida. Não há mais tempo para o desinportante.

    Responder
    1. Jorge Tarquini 15 de outubro de 2020

      Nivea, obrigado por seu comentário! Importância ao que é importante.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *