LOADING

Digite para buscar

Detox digital: jogos de tabuleiro e quebra-cabeças fazem sucesso na quarentena

Compartilhe

Para especialistas do setor, bom momento está ligado a necessidade de se desconectar das telas e socializar com a família 

Computador, TV, smartphone, tablet, videogame. Já parou para pensar quanto tempo você tem passado olhando para telas durante a quarentena? Segundo especialistas em saúde, a exposição excessiva a esse tipo de equipamento é nociva para o corpo e para a mente. Mas se parques, shoppings, academias, baladas e restaurantes estão fechados, de que outra forma podemos nos divertir? Jogos de tabuleiro e quebra-cabeças podem ser a solução.

Tá bombando!

Dados do Google Trends mostram que o interesse por quebra-cabeças em abril foi o maior registrado nas pesquisas do Google desde outubro de 2013. Já no caso dos jogos de tabuleiro, o interesse em maio foi o maior já registrado em todo o período em que os dados estão disponíveis (desde janeiro de 2004).

Para Vince Vader, professor da ESPM e desenvolvedor de os board games [nome em inglês utilizado pelos entusiastas], esses jogos tem sido uma espécie de “detox digital” e ferramenta para “socialização” de famílias durante a pandemia. “Uma das necessidades básicas do ser humano no mundo contemporâneo é o entretenimento. O que virou o entretenimento neste momento? A televisão, a Netflix, o WhatsApp. Mas chega uma hora que cansa ficar olhando para telas. Aí entram os jogos de tabuleiro e quebra-cabeças”, analisa. “As pessoas começaram a redescobrir entretenimentos na coisa analógica.”

Muito além da diversão

Vader lembra que, além de entreter, esse tipo de game ajuda a exercitar e desenvolver algumas skills. “No caso de um jogo de estratégica, está desenvolvendo o pensamento estratégico. No caso de um quebra-cabeça, tem a questão da identificação de padrões. Sempre estamos aprendendo algo com os jogos, sejam digitais ou analógicos”.

É o que também comenta Angelo Marin, gerente de produtos da Grow – empresa brasileira especializada em jogos e quebra-cabeça. “Os nossos jogos desafiam a inteligência das crianças, tem uma série de benefícios pedagógicos e também são importantes na questão da socialização”, comenta. “No caso do quebra-cabeça, estudos apontam melhora da capacidade cognitiva e de reconhecimento das imagens, e aumento da autoestima para os idosos, por exemplo. É um exercício mesmo”.

Procurando o que jogar?

Confira a seguir uma lista com 5 board games indicados por Vince para jogar na pandemia (com alto teor de replay):

War Vikings (Grow)

Jogo da Rima (Grow)

Carcassonne (Devir)

Azul (Galápagos Jogos)

Paranormal Detectives (Lucky Duck Games)

Não tem com quem jogar em casa? Pra tudo tem uma solução

Mas neste caso você terá que voltar a olhar para uma tela, como Vince fez com um grupo de amigos. “A gente se reunia toda semana para jogar. Veio a pandemia e não pudemos nos reunir. Mas encontramos uma solução interessante: um site chamado Table Topia, em que você joga board games online”, comenta o professor da ESPM. “A gente liga a câmera no WhatsApp ou no Hangouts e vamos conversando durante o jogo. É como se fosse um jogo de tabuleiro mesmo”, afirma Vader, deixando claro que ainda assim prefere jogar presencialmente.

LEIA TAMBÉM:

“Quem quer trabalhar com games tem que jogar de tudo”

Mauricio de Sousa revela segredos e planos para o futuro da ‘Turma da Mônica’

Dos games para o mundo: tecnologias que se popularizam nos videogames

Tags:
Filipe Oliveira

Do clã Kardashian-Jenner a entrevistas com CEOs, até o título mundial do Corinthians. Nessa vida de jornalista já cobri de tudo um pouco: esportes, tv e cinema, agronegócio, tecnologia, negócios, empreendedorismo e setor automotivo. Depois de uma temporada de estudos e aventuras na África do Sul, voltei ao Brasil em busca de um novo desafio. Assim vim parar na equipe que criou e produz o #TMJ.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *