LOADING

Digite para buscar

Compartilhe

Para quem se encantou com o filme Yesterday (ou ainda vai se encantar – cuidado, tem spoilers), a provocação proposta na telona é diferenciar o que tem poder de ser eterno e aquilo que pode não fazer falta alguma

Um mundo no qual ninguém nunca ouviu falar dos Beatles e nunca ouviu cantar os Beatles é uma premissa assustadora. Afinal, seríamos quem somos se nunca tivéssemos ouvido um acorde sequer das músicas criadas pelo quarteto de Liverpool há quase 60 anos?

O mote do filme Yesterday, de Danny Boyle, serviria muito bem para um filme de terror (ao menos para este que vos escreve). Mas a fábula projetada em película logo nos dá uma boa dose de serenidade (e de bom humor) quando mostra que, assim como os Beatles, outros ícones daquele mundo pós-apagão mundial também desapareceram da face da Terra.

Há, porém, uma diferença incrível: ao contrário das canções, o personagem Jack Malik não faz questão nenhuma de recriar (ou, no caso, manter vivo) qualquer um dos outros ícones apagados da memória emotiva, afetiva, olfativa e gustativa da humanidade.

(ALERTA DE SPOILER)

Pôster de ‘Yesterday’ Foto: Divulgação

Um deles é o cigarro. Sim, a humanidade nunca ouviu falar desse troço e ninguém é viciado (ao menos em outros fumígenos, legais ou não). O outro é a Coca-Cola.

O que o filme quer nos dizer com isso? Que, mesmo que a humanidade desapareça da face da terra, talvez as músicas dos Beatles sejam os únicos produtos do século 20 que valham a pena resgatar de nossa passagem pela Terra. Uma jogada perigosa propor isso a uma plateia mundial: você faria essa mesma escolha ou prefere trocar as canções por um trago ou um gole?

Este que vos escreve é um ex-fumante e um ex-bebedor de refri (um “garoto Coca-Cola”, como dizia meu pai). Mas não consigo me livrar de nenhum acorde dos Fab Four…

LEIA TAMBÉM:

O que aprender com o Spotify

O que é marketing digital?

Pergunta sincera a estudantes de jornalismo: como vender algo que nem mesmo você paga para ter?

View my Flipboard Magazine.
Tags:
Jorge Tarquini

Sou um jornalista curioso e que se aventura por alguns lugares e experiências: já dirigi revistas, trabalho com produção de conteúdo, escrevo livros (um segredo: escrevi O Doce Veneno do Escorpião, o "livro da Bruna Surfistinha") e roteiros e, agora, faço parte da equipe que criou e produz o #TMJ. Ah: também virei professor de Jornalismo. Ansioso para descobrir para onde os novos tempos, meios e tecnologias podem me levar: afinal, é sempre um prazer me aventurar por novos desafios.

Você vai gostar também

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *