LOADING

Digite para buscar

5 lições de Juca Kfouri sobre jornalismo

Compartilhe

Prestes a completar 50 anos de profissão, jornalista conversou com a garotada do Linkados na Área sobre sua carreira e os desafios e prazeres do jornalismo

Processos, frio na barriga e erros fazem parte da rotina do jornalismo. É o que afirmou Juca Kfouri, 69 anos, em um bate papo com a garotada do Linkados na Área, programa realizado pelos alunos de jornalismo da ESPM-SP. O jornalista, que completará 50 anos de profissão em 2020, falou sobre sua carreira e os desafios e prazeres do jornalismo. Com base nessa conversa, fizemos uma lista com lições de Kfouri sobre a área. Confira a seguir:

1 – Ser processado faz parte do jogo

“É muito chato você ser processado. Eu já fui mais de 100 vezes. Tem que ir ao fórum, conversar com o juiz – sabendo que quem está te processando no fundo quer te calar, te intimidar – e você tem que ouvir toda aquela demagogia. É muito chato, mas eu diria que são ossos do ofício”.

2 – Jornalistas erram e devem reconhecer isso  

“Jornalista sabe a ponta do iceberg, 3%, e olhe lá. Na busca de revelar esses 3% cometem muitos equívocos. Tem uma maneira muito simples de você resolver os equívocos: é dizer que errou. O ‘erramos’. As pessoas adoram, acham que é uma demonstração de humildade, quando é apenas uma obrigação”.

3 – O frio na barriga nunca acaba  

“Na hora em que acabar o frio na barriga, pega suas coisas e vai embora, se aposenta”, disse Juca ao responder sobre seu sentimento depois de cobrir várias copas do mundo. “A mesma sensação que tive ao entrar no avião e decolara para a Espanha em 1982, tive ao decolar para Moscou em 2018, nove copas depois. O mesmo frio na barriga”.

4 – Jornalista não é despachante

“Acho que nossa imprensa foi mal no lavajatismo. Não se investigou bulhufas. Assim é fácil fazer jornalismo: cai tudo no seu colo e você não checa, não vai atrás para saber se é aquilo mesmo. Você simplesmente se limita a publicar, despacha. Isso não é coisa de jornalista. Isso é coisa de despachante. Vem no seu colo, você carimba e manda adiante. Foi o que se fez”.

5 – Mídia impressa precisa tratar melhor o pós-notícia

“Na minha modesta opinião, nossa imprensa escrita tem um grande problema que até agora não conseguiu resolver que é tratar da pós-notícia”, comentou Juca. “Me deixa profundamente angustiado quando vejo que no domingo você foi dormir sabendo que a Argentina tinha um novo presidente, eleito com 47% dos votos, e na segunda os jornais chegam a sua casa dizendo: ‘Argentina elege novo presidente’. Ao invés da manchete ser: ‘Para onde vai a Argentina, ‘O que significa isso para as relações com o Brasil’. Ou seja, dar uma coisa além daquilo que você já sabe. Se morre o Papa, o El País diz ‘Para onde vai a igreja católica’, aqui ainda damos ‘Morreu o Papa’.

Confira a entrevista completa no vídeo abaixo:

LEIA TAMBÉM:

6 valiosas lições de Roberto Cabrini sobre jornalismo investigativo

O que Leonardo Sakamoto aprendeu sobre fake news após ser vítima de algumas delas

8 coisas que você precisa saber sobre jornalismo de dados

View my Flipboard Magazine.
Tags:
Redação #TMJ

Produzido pelo Núcleo de Conteúdo da ESPM.

Você vai gostar também

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *